poema

poemas

sobre o ancoradouro de navios no espaço

recados vencidos e livros encomendados não prestam pois o amor é um homem que carrega flores e todos o olham desde 1929 aguardo o telefonema para que me rasgue esse pijama rosa esculpa cicatrizes nessa boca de sorrisos esmaltada em ...

Read more

o corpo é um corpo

Hoje decidi trazer um poema pra cá. Devidamente sabatinado no nosso grupinho de criação literária n’oGangorra. Aliás, combinei com meus amigos de escrever mais por aqui. Tendo outros pra puxar, espero que fique mais simples. Embora esteja escrevendo no blog ...

Read more

passaremos

passaremos

– Vamo sentá galera! Se a gente sentá eles não atiram. Aí um pequeno silêncio. – Desencana que vão atirar sim de qualquer jeito.   Assim começava o rascunho de post pro blogue a partir dum diálogo em que participei ...

Read more

poeminha de ocasião

  vê se vem   quando o barulho engrossa nem me vem com essa de ficar no canto, tapando os ouvidos   tapar os ouvidos só faz com que o barulho seja vc sozinho, todo o teu medo e medo ...

Read more

novos rumos

novos rumos

encontrei este título de post nos rascunhos: “novos rumos”. louca que soy, fui ver do que se tratava, cliquei. o post está em branco, somente contém título. não me recordava de ter feito o tal rascunho, que novos rumos seriam ...

Read more

audição

corrigir um poema no ouvido. talvez a maior inovação tecnológica do último mês. recomendo. nem sei pq nunca testei antes. aí vai um rascunho desses dias. sem querer-querendo fico pensando num livro novo de poesia. é horrível isso. a gente ...

Read more

diário

diário

Seguindo a série dos ” alguns poemas que me foram dedicados” (leia o “iansã” aqui), posto o da Jeanne Callegari, construído a partir de colagens. A leitura deste poema no Festín Mutante foi das melhores.   diário para ana érre ...

Read more

grito

“As mortes na periferia de SP assustam, o silêncio da sociedade, dos artistas e intelectuais assustam ainda mais” @poetasergiovaz   grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! grito! ...

Read more

iansã

iansã

Como estou meio desanimadinha, muito trabalho, salto alto e amor pouco, selecionei alguns poemas que me foram dedicados. Tem uma coisa daquela beleza dura nisso. Postarei aos poucos. O primeiro da série é do Eduardo Lacerda e consta no livro ...

Read more

ainda, a insistência

(outro poema de amor)     9 em 10 artistas ratificam nos aplausos de mãos calejadas dos murros em ponta de faca: – siga, singre além do bojador!   9 em 10 economistas retificam o beco de mão única onde ...

Read more
Follow on Feedly