exercício nº 2: uma classe de palavra salgada

o sal da fraseAdoro verbos! O sal da frase. O que açula calmaria, tufões e dias ensolarados. Muita gente intui que toda a graça da escolha vocabular mora nos substantivos e adjetivos. A pessoa decide ser caprichosa e taca “obnubilante” (acho lindo, obnubilante), mas se fia no verbo “fazer”, se fia no verbo “dizer”, blé. Há momentos em que verbos corriqueiros valem muito mesmo, tudo bem, de acordo. Entretanto, dê uma pensada com mais amor na escolha de seus verbos.

Verbos conferem um impacto e uma exatidão maravilhosa a alguns trechos. De bate e pronto, pensei neste versinho antológico do João Cabral, veja como dá pra observar isso:

Catar feijão se limita com escrever

Esse “limita” já antecipa toda a profundidade do poema, traz a ambiguidade e a ampliação de sentido que é típica da arte poética [limitar-se possui a semântica de “estabelecer limite”, “fazer fronteira ou confinar” ou ainda “circunscrever”; no poema, constrói modulações diferentes da ideia que há divisas e semelhanças entre escrever e catar feijão].

Assim, o exercício de hoje é o seguinte:

Passo 1: Retorne ao exercício nº 1. Analise o texto que vc produziu. Se não tiver feito, faz agora, né?

Passo 2: Grife todos os verbos que constam no trecho. Não se esqueça dos pequenininhos.

Passo 3: Agora… altere todos! Todos! Troque por outros verbos. Podem ter sentido semelhante ou mesmo um sentido antagônico. Como se trata de treino, é recomendável escolher alguns verbos bem exóticos. A ideia é trabalhar escolha de vocabulário, sim?

Passo 4: Releia. Viu como muda tudo?

*   *   *

Dicas

[básica] Recomendo que utilize o dicionário. Dicionário são fontes inesgotáveis do prazer das escolhas. Impossível trabalhar com língua sem dicionário ao lado (inclusive, pq são limitados, daí vc vê que tem que praticar a criatividade). Meu favorito é o Aulete.

[intermediária] Vasculhe aquela velha gramática que vc tem em casa. Leia o capítulo a respeito de verbos. Indico a gramática do Napoleão, bastante precisa, mas um pouco complicada. Se quiser outras indicações, me escreve que eu dou uma pensada.

[avançada] Quem amar o assunto e quiser ler mais, há um livro incrível As astúcias da enunciação do José Luiz Fiorin que não vai apenas falar de verbo, mas de um monte de coisas relacionadas. É um livro técnico, com linguagem acadêmica, mas nada que uma pessoa desafiada não vença.

Related Posts

2 Comments

  1. segundo exercício – escrevo, ela escreveu
    1 de julho de 2015 at 16:58 Responder

    […] sexta-feira. no primeiro, deveríamos pensar como desejamos escrever. daí que escrevi este poema. no segundo, a ideia era pegar o primeiro texto e substituir todos os verbos. falhei, como podem ver. mas até […]

  2. segundo exercício | Marília Moscou
    12 de setembro de 2015 at 18:56 Responder

    […] sexta-feira. no primeiro, deveríamos pensar como desejamos escrever. daí que escrevi este poema. no segundo, a ideia era pegar o primeiro texto e substituir todos os verbos. falhei, como podem ver. mas até […]

Follow on Feedly