CONCURSO: ♪ o meu caminho para casa ♫

Share

concurso por aqui sempre dá errado, há umas falcatruas, vencedores que não recebem prêmios. quem mandou professora do primário falar na vigência do competir?

só para dizer que não minto, conheça os últimos:

bom, o caso é “pensei num novo concurso agora

… considerando uma mini-utopia-poética, que qq fragmento de nossa vida pode dizer tudo sobre nosso modo de vida inteiro

… considerando que escrever qq bobagem sempre faz bem pra saúde. ou não, e

… principalmente considerando que poetas são absolutamente exagerados

: o melhor texto com o tema “♪ o meu caminho para casa ♫” ganha. é um tanto irônico, sim? óbvio que o melhor ganha, é capitalismo, não avisei? ganha uma menção aqui, pode ser? pode ser inédito, virgem e repassado, sem preconceito etário. ganha o nosso respeito, o que mais?

bem, me envia o texto como quiser: nos comentários, vale publicar no blogue e me diga o link, mandar pelo anarusche+gmail.com, etc. prazo: até sexta-feira agora.

sorte!

Share

Related Posts

16 Comments

  1. manuel carreiro
    4 de fevereiro de 2010 at 20:27

    You’ve got (G) mail!

  2. manuel carreiro
    4 de fevereiro de 2010 at 20:27

    You’ve got (G) mail!

  3. admin
    4 de fevereiro de 2010 at 15:01

    César, Katia, Verônica, Rogério e Petê queridos,
    recebi tudo, li com calma, vcs são incríveis. (!!)
    Com mais o texto da Maiara, são 7 que recebi. Cabalístico. Vejo se na sexta ou sábado faço uma copilação num post, algo assim sobre tudo, sobre todos.

    Manuel,
    bem, no melhor do gerundismo, vou estar escrevendo finalizando um livro de poesia e tenho lá meus contos que quero desovar (e vai que rola a petrobrás). é bastante coisa por hora.
    mas me conte melhor, sempre sou curiosa.
    e obrigada pelo convite, claro!

    um beijo grande a todos.

  4. admin
    4 de fevereiro de 2010 at 15:01

    César, Katia, Verônica, Rogério e Petê queridos,
    recebi tudo, li com calma, vcs são incríveis. (!!)
    Com mais o texto da Maiara, são 7 que recebi. Cabalístico. Vejo se na sexta ou sábado faço uma copilação num post, algo assim sobre tudo, sobre todos.

    Manuel,
    bem, no melhor do gerundismo, vou estar escrevendo finalizando um livro de poesia e tenho lá meus contos que quero desovar (e vai que rola a petrobrás). é bastante coisa por hora.
    mas me conte melhor, sempre sou curiosa.
    e obrigada pelo convite, claro!

    um beijo grande a todos.

  5. manuel carreiro
    3 de fevereiro de 2010 at 17:11

    ana, topa escrever um livro comigo? Tou falando sério.

  6. manuel carreiro
    3 de fevereiro de 2010 at 17:11

    ana, topa escrever um livro comigo? Tou falando sério.

  7. Petê Rissatti
    2 de fevereiro de 2010 at 23:03

    Dearest,

    O meu está em http://vermelhocarne.blogspot.com/2010/02/mi-camino-carino.html

    Hope you like it!

  8. Petê Rissatti
    2 de fevereiro de 2010 at 23:03

    Dearest,

    O meu está em http://vermelhocarne.blogspot.com/2010/02/mi-camino-carino.html

    Hope you like it!

  9. Veronica Cestac
    2 de fevereiro de 2010 at 13:00

    Oi ana, aqui ta meu texto. Como to na Argentina, dificil por Til nas palavras.
    beijo

    De volta a casa
    As vezes o que nos acontece é tao abrumador que, se nao escapamos dessa realidade com algo, se nao fugimos rapido de nós mesmos, de nossa casa, nos destruiria. E assim, escapando, atuando de forma livre nesse pequeno tempo de fuga, nessa louca viajem ao sem sentido, fazendo o que se pode, mas fazendo, vamos digerindo o que nos acontece pouco a pouco, até que um dia despertamos e nos vemos mais fortes, mais sabios e mais humanos. De repente tudo o que nos abrumava desapareceu e o caminho triste e longo, que tanto nos machucou, nos trouxe de volta a casa, mas deste vez está mais limpa, mais arrumada, e mais segura. As vezes, só as vezes, é bom fugir un pouco de nós mesmos.

  10. Veronica Cestac
    2 de fevereiro de 2010 at 13:00

    Oi ana, aqui ta meu texto. Como to na Argentina, dificil por Til nas palavras.
    beijo

    De volta a casa
    As vezes o que nos acontece é tao abrumador que, se nao escapamos dessa realidade com algo, se nao fugimos rapido de nós mesmos, de nossa casa, nos destruiria. E assim, escapando, atuando de forma livre nesse pequeno tempo de fuga, nessa louca viajem ao sem sentido, fazendo o que se pode, mas fazendo, vamos digerindo o que nos acontece pouco a pouco, até que um dia despertamos e nos vemos mais fortes, mais sabios e mais humanos. De repente tudo o que nos abrumava desapareceu e o caminho triste e longo, que tanto nos machucou, nos trouxe de volta a casa, mas deste vez está mais limpa, mais arrumada, e mais segura. As vezes, só as vezes, é bom fugir un pouco de nós mesmos.

  11. Rogério Duarte
    2 de fevereiro de 2010 at 11:05

    Tá lá no blog: http://restosefragmentos.blogspot.com/2010/02/o-eco-e-o-vazio.html

    Beijo!

  12. Rogério Duarte
    2 de fevereiro de 2010 at 11:05

    Tá lá no blog: http://restosefragmentos.blogspot.com/2010/02/o-eco-e-o-vazio.html

    Beijo!

  13. Katia Borges
    2 de fevereiro de 2010 at 10:46

    Perdi o bonde e
    a esperança,
    São Longuinho.
    Se achar, dou três
    pulinhos
    e não volto pálido
    para casa.

  14. Katia Borges
    2 de fevereiro de 2010 at 10:46

    Perdi o bonde e
    a esperança,
    São Longuinho.
    Se achar, dou três
    pulinhos
    e não volto pálido
    para casa.

  15. César Filho
    2 de fevereiro de 2010 at 10:15

    Bom dia, Ana

    Eis o meu texto publicado aqui http://cesar1972.wordpress.com/

    E boa sorte pra mim, né?

  16. César Filho
    2 de fevereiro de 2010 at 10:15

    Bom dia, Ana

    Eis o meu texto publicado aqui http://cesar1972.wordpress.com/

    E boa sorte pra mim, né?

Leave A Comment

You must be logged in to post a comment.

Follow on Feedly